Nos bastidores, Hanan quase foi o novo secretário da Sefaz

Nos bastidores políticos do Amazonas em Brasília, ontem, os comentários davam conta de que o governador José Melo (PROS) desfez, na última hora, um acordo com o ex-governador Amazonino Mendes (PDT) para nomear seu amigo e ex-vice-governador e ex-secretário da Fazenda, Samuel Assayag Hanan, no lugar de Afonso Lobo, na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). Agora driblado e “sem quilha”, Amazonino apoiou o grupo de Melo, derrotado na última eleição para prefeito de Manaus, com o candidato Marcelo Ramos (PR), que também teve o apoio do senador Omar Aziz (PSD). As informações nos bastidores eram de que Hanan vinha trabalhando num estudo para uma nova reforma tributária no Estado, para dar maior competitividade às empresas do Polo da Zona Franca de Manaus e celeridade nos processos no Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam), que aprova os incentivos fiscais com o Imposto dobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), um dos mais importantes diferenciais para quem produz no Amazonas.

Indústria quer retirar juros e multas de suas próprias dívidas

Representantes da indústria pediram, ontem, aos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo de Oliveira, a retirada de juros e multas da renegociação de dívidas prevista no programa de regularização tributária para empresas, instituído pela Medida Provisória (MP) 766/2017, editada no início do mês. O vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marcos Guerra, disse que a retirada dos juros é necessária para aumentar a adesão ao programa.

Fonte: Portal D24am.com